terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Eu vou seguindo sem querer
Sem saber
Sem compreender
Sem aprender
E nada mais vou fazer
Senão Viver...
E prender a vida na alma
E acabar com a dor...
E os olhos se abrem
Sem se entender
E se fecham as portas
Sem de nada saber
E o objetivo da derrota
É um dia vencer...
A fala quer dizer
A voz quer falar
A dor quer ouvir
A palavra amar...
É contrária toda força a favor
Borboletas sem asas
Sem casas
O fogo sem brasas
E sem nada se ter
Tem-se o nada
O beijo da namorada oculta
Inculta...
Sentir a pele pelo apelo da alma
À flor da pele sem jardins
As palavras escritas da verdade
E vou seguindo sem saber
Sem entender
Porque se a vida não é viver
A morte também não é morrer
E paramos em um ponto final
Sem início.

2 comentários:

Juan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Juan disse...

E sentir a plenitude no viver...

Gostei MUITO do seu poema, além de estar muito bem composto, transmite paz :)